Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Julho, 2010

Vacações, cenas tipo estilamente e outros morphs em condições de coiso.

Não há vida como a do campo,
Nem fruta como a maça,
Não há água como a do Norte,
Para os perderes pela manhã.

Não há sol como o de Agosto,
Nem sol como o de Fevereiro,
Vendo bem é sempre diferente,
Vai variando o ano inteiro.

Não há chuva como a da noite,
Nem gotas como as do orvalho,
Pena que para delas se beber um pouco,
Fica-se com uma dor de costas do [Censurado].

Não há joia como o rubi,
Nem como o diamante, ou a esmeralda,
Não há nada mais fedorento que um poio,
Conservado em belos cascos de fralda.

Não há dia como o de hoje,
Nem houve dia como o de ontem,
Para a frente certamente haverá mais dias,
Mas requerem que os montem.

Não há flor como a da roseira,
Que por acaso de chama rosa,
Não há texto como a poesia,
Quando se quer escrever em prosa.

Ui ui <--- WTF?

Há duas coisas que não conciliam com Mundiais de Futebol. A selecção nacional e o facto de o Cristiano Ronaldo ter sido pai.

Aquilo que escrevi só demonstra uma pequena coisa... que as pessoas mandam lixar a selecção sempre que uma noticia ainda mais absurda lhes é apresentada.

E aposto que tem cara de Jabulani!

Retrospectiva Semanal

Caros leitores,

Como todos sabemos, esta semana foi recheada de coisas boas no plano nacional e, como não poderia deixar de ser, requerem algum achincalhamento!

Bem, a selecção nacional foi eliminada do Mundial de Futebol... no fundo, nada que não tivesse já sido previsto neste blog. Poderia dizer que fiquei triste mas na perspectiva de ter poupado o meu fígado, até nem me apoquentei muito. Só de imaginar que podíamos chegar à final e quiçá ganhar a taça deixa-me a pele das mão a escamar e com princípios de cirrose. Isto foi algo em que o nosso seleccionado certamente pensou para nos presentear com tão fraquinhos resultados. Ademais, creio que na visão do Estado, tantos jogos iriam fazer mal à Nação, já que toda a economia bloqueia a cada jogo da selecção. "Estamos em crise meus amigos! Não se pode abdicar de encher os cofres do Estado com impostos para estar a ver um jogo de futebol... Agora, venham masé para casa!" E como se diz na gíria popular: "E eles vierem!"…